Translate

RÁDIO VIDA EM CRISO

Ouça a Rádio Vida em Cristo FM 89.1, 24 horas no seu computador. A rádio gospel online que toca as melhores Músicas gospel do Brasil. A rádio que vai toca no seu coração.Confira!

Evangelismo

"EU SOU O BOM PASTOR; O BOM PASTOR DÁ A VIDA PELAS OVELHAS." JOAO 10.11

Google+ Followers

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Lições Bíblicas CPAD Jovens e Adultos 1º Trimestre de 2013.Comentarista: José Gonçalves




Titulo: Elias e Eliseu – Um ministério de poder para toda a Igreja
Lição 5: Um homem de Deus em depressão
Data: 3 de fevereiro de 2013
TEXTO ÁUREO
"Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos"
(2 Co 4.8,9).

VERDADE PRÁTICA
Os conflitos de Elias o levaram a enfrentar períodos de depressão e tristeza. Mas o Senhor ajudou-o superar.

HINOS SUGERIDOS 
 140, 193, 383

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Tg 5.18
Elias, um homem espiritual
Terça - Tg 5.17
Elias, um homem sentimental
Quarta - 1 Rs 19.3
Elias, um homem em fuga
Quinta - 1 Rs 19.4
Elias, um homem em isolamento
Sexta - 1 Rs 19.4,5,6
Elias, um homem em autocomiseração
Sábado - 1 Rs 19.7
Elias, um homem sob os cuidados divinos

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Reis 19.2-8

INTERAÇÃO
No ambiente eclesiástico é comum pensar que o crente é imune às doenças da alma. É como se o seguidor de Jesus vivesse dentro de uma redoma de vidro isolado e "protegido" de qualquer desconforto psicossocial. Ledo engano! As Escrituras falam claramente das fragilidades humanas e descreve-as na vida dos maiores "gigantes espirituais". A história da Igreja mostra-nos baluartes dos movimentos de despertamentos e avivamentos espirituais - nos séculos XVIII e XIX - que sofriam profundas crises na alma. Mas o Senhor não deixou de usá-los por isso. Era o caso de David Brainerd, missionário norte-americano; John Bunyan, profícuo escritor cristão e pregador britânico; William Cowper, poeta e compositor britânico.

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Compreender a humanidade do profeta Elias.

  • Identificar as causas e sintomas da depressão de Elias.

  • Detalhar o tratamento de Deus à depressão de Elias.


ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, para introduzir a lição dessa semana conceitue a depressão, suas causas e sintomas. (1) Depressão - é um transtorno psiquiátrico ligado a um desequilíbrio das substâncias químicas no cérebro. Portanto, depressão não é tristeza, é uma doença que precisa ser tratada. (2) Causas e Sintomas - genético, tipo de estilo de vida, alimentação, estresse e problemas de ordem pessoal. Os sintomas gerais são: humor deprimido, isolamento social, comportamento autodestrutivo, tentativa de suicídio, delírios, etc. Essa é apenas uma sugestão para auxiliar na  preparação de sua aula. Não deixe, pois, de fazer a sua pesquisa. Use livros, revistas, internet, etc. As possibilidades são muitas.

COMENTÁRIO


INTRODUÇÃO

PALAVRA-CHAVE
Depressão: Distúrbio mental caracterizado por desânimo, sensação de em grau maior ou menor.

Muitas vezes ficamos tão fascinados com o registro bíblico sobre homens e mulheres de Deus que acabamos esquecendo que todos eram humanos! Passamos a enxergá-los como heróis e como tal acreditamos que eles não tinham falhas. Todavia, a Escritura mostra os homens de Deus como de fato são - homens fiéis, vigorosos, destemidos, corajosos e ousados - mas ainda assim humanos. Com Elias também foi assim. Ele foi um profeta que deixou seu legado na história bíblica como um gigante espiritual. Um servo de Deus de profunda convicção espiritual e consciente de sua missão profética. Por causa disso enfrentou soberanos, falsos profetas e o coração de um povo dividido. Isso deixou uma sobrecarga sobre ele, e foi isso que fez aflorar na vida do profeta de Tisbe todo o seu lado humano, frágil e carente da ajuda divina.

I.  ELIAS – UM HOMEM COMO OS OUTROS
1. Um homem espiritual. Elias era um homem espiritual e vários fatos narrados nas Escrituras atestam essa verdade. Primeiramente, vemos Elias como um profeta profundamente envolvido com a Palavra de Deus: "E que conforme a tua palavra fiz todas estas coisas" (1 Rs 18.36). Em segundo lugar, o profeta de Tisbe possuía uma profunda vida devocional. Ele era um homem de oração: "E Acabe subiu a comer e a beber; mas Elias subiu ao cume do Carmelo, e se inclinou por terra, e meteu o seu rosto entre os seus joelhos. E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna lá sete vezes" (1 Rs 18.42,43).  Elias conhecia os infinitos recursos da oração!
2. Um homem sentimental. Mas Elias não era apenas um homem espiritual, ele também era sentimental. O apóstolo Tiago afirma que: "Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra" (Tg 5.17). Tiago diz duas coisas importantíssimas sobre Elias que nós parecemos esquecer: primeiramente "Elias era homem". Elias foi um gigante espiritual, mas era homem! Não era um anjo! Em segundo lugar, Elias possuía "as mesmas paixões". Elias não era apenas espiritual, era também sentimental! Alegrava-se, mas também entristecia-se! Talvez o que distingue Elias dos demais mortais é que ele não maquiava seus sentimentos. Ele os punha para fora.

SINÓPSE DO TÓPICO (I)
Elias era um homem como outro qualquer. Sujeito às intempéries da vida.

II. AS CAUSAS DOS CONFLITOS DE ELIAS
1. Decepção. O capítulo 18 do Primeiro Livro de Reis narra a fantástica vitória que o profeta Elias obtivera sobre os profetas de Baal. O Senhor havia respondido a oração do seu servo, enviando fogo do céu em resposta à sua oração (1 Rs 18.38). O que Elias esperava em resposta a esse avivamento era um total quebrantamento do povo, incluindo a casa real. Todavia, o avivamento não alcançou as proporções desejadas. A casa de Acabe ficou insensível. Jezabel mandou dizer a Elias, em tom de ameaça: "Assim me façam os deuses e outro tanto, se decerto amanhã a estas horas não puser a tua vida como a de um deles" (1 Rs 19.2). Parece que a vitória havia se convertido em derrota! Sem dúvida, Elias havia ficado decepcionado, não com o seu Deus, mas com o príncipe de seu povo!
2. Medo. Diante da ameaça de morte sentenciada pela rainha Jezabel, a reação de Elias foi imediata: "O que vendo ele, se levantou, e, para escapar com vida, se foi, e veio a Berseba, que é de Judá, e deixou ali o seu moço" (1 Rs 19.3). Elias teve medo e fugiu! O homem que havia confrontado Acabe e os falsos profetas de Baal e Aserá, agora fugia temendo morrer pela mão de uma mulher! Não devemos esquecer que Elias era um homem semelhante a nós e sujeito aos mesmos sentimentos (Tg 5.17). Os gigantes também possuem seus momentos de fraqueza!  Não há dúvidas que aqui os sentimentos falaram mais alto do que a fé!

SINÓPSE DO TÓPICO (II)
Os conflitos de Elias estavam associados à decepção e o medo.

III. AS CONSEQUÊNCIAS DOS CONFLITOS
1. Fuga e isolamento. O texto sagrado destaca a fuga do profeta Elias (1 Rs 19.3).  O homem de Deus que havia enfrentado situações tão adversas, agora se vê impotente diante das ameaças de uma rainha pagã. Ele se viu sem escapatória diante dessa nova situação e temeu por sua vida. Humanamente falando era ficar e morrer. Devemos observar que o Senhor não recriminou Elias por isso; nós também não devemos fazê-lo. Por outro lado, Elias não apenas fugiu; ele também se isolou. "E ele se foi ao deserto" (1 Rs 19.4). Essa é a marca de uma pessoa deprimida - ela busca o isolamento. Somos seres sociais e como tais, não podemos viver no isolamento.
REFLEXÃO
“Os gigantes também possuem seus momentos de fraqueza!”

2. Autopiedade e desejo de morrer. Vemos ainda as marcas do comportamento depressivo do profeta na sua atitude de autopiedade - um termo sinônimo para autocomiseração, cunhado pelos psicólogos. Elias achava que somente ele ficara como um servo fiel do Senhor: "Eu fiquei só" (1 Rs 19.10). Ele achava ainda que todos haviam apostatado ou abandonado a fé. Não havia mais fiéis, somente ele. Como o texto deixa claro, isso era ver a realidade de forma distorcida. Deus possuía ainda seus sete mil (1 Rs 19.18). Mas Elias foi mais além - ele agora queria morrer: "e pediu em seu ânimo a morte" (1 Rs 19.4). Os psicólogos observam que este é o sintoma de uma pessoa com depressão profunda. Ela perde o encanto pela vida. Elias, portanto, precisava urgentemente da ajuda do Senhor.

SINÓPSE DO TÓPICO (III)
Algumas características que podem descrever a depressão de Elias são: desejo de fuga, isolamento, autopiedade e desejo de morrer.

IV. O SOCORRO DIVINO
1. Provisão física. O socorro do Senhor chegou até o profeta na forma de provisão física e material: "E deitou-se e dormiu debaixo de um zimbro; e eis que, então, um anjo o tocou e lhe disse: Levanta-te e come" (1 Rs 19.5). Os psicólogos veem aqui um dos sintomas da depressão de Elias - a inapetência ou alteração dos hábitos alimentares. Nesse estado, a pessoa pode não querer comer como também pode possuir um apetite exagerado. Em ambos os casos é necessário o auxilio de terceiros. No caso do profeta, o anjo do Senhor é quem o auxilia providenciando-lhe alimento. Ele precisava alimentar-se e Deus fez com que isso fosse providenciado: "E olhou, e eis que à sua cabeceira estava um pão cozido sobre as brasas e uma botija de água; e comeu, e bebeu, e tornou a deitar-se" (1 Rs 19.6).
2. Provisão espiritual. Elias alimentou-se de pão e água - elementos de natureza material. Todavia, a forma e o instrumento usado por Deus para fazê-los chegar até ao profeta eram de natureza espiritual. Como já vimos, o texto sagrado diz que um anjo do Senhor foi quem providenciou aqueles víveres para o profeta (1 Rs 19.5,6).  Mas não foi apenas um anjo que prestou auxilio ao profeta; o próprio Deus a quem Elias servia o conduziu durante todo o tempo. A própria ida de Elias ao monte Horebe fez parte dessa terapia. Ali, Elias seria revitalizado não apenas na sua vida espiritual, mas também na sua vida emocional (1 Rs 19.8-15).

SINÓPSE DO TÓPICO (IV)
O socorre divino trouxe provisão física e espiritual ao profeta Elias.

CONCLUSÃO
Acabamos de observar que os homens de Deus também têm conflitos. Padecem também dos males comuns a todos os mortais. Todavia, é perceptível que o servo de Deus conta com uma forma de auxílio diferenciado - ele não está sozinho neste mundo. Por isso, não depende apenas dos recursos humanos que são tão limitados. O Senhor faz-se presente nas horas conflituosas da vida e presta-nos o seu auxílio. Lemos nos Salmos: "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia" (Sl 46.1).

REFLEXÃO
“Quando nos sentimos fatigados após uma grande experiência espiritual, lembremo-nos de que o propósito de Deus para a nossa vida não está terminado.”
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I
Subsídio Teológico
"[Uma Resposta de Deus a Elias]
Em um determinado ponto da história, Elias, totalmente triste, disse: 'E eu fiquei só', achando que era o único israelita que se arrependeu, que creu e que conheceu o perdão de Deus (1 Rs19.14). O Senhor repreende-o e afirma: 'Também eu fiz ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que se não dobraram a Baal' (1 Rs 19.18). Em sua Epístola aos Romanos, Paulo cita essa história, com queixa de Elias e a repreensão do Senhor, e acrescenta logo depois: 'Assim, pois, também agora neste tempo ficou em resto, segundo a eleição da graça' (Rm 11.5).
Por que Deus é tão gracioso que nos escolhe? Porque Ele quer um nome para si mesmo. Na consagração do Templo, Salomão ora para que Deus abençoe seu povo: 'Para que todos os povos da terra saibam que o Senhor é Deus e que não há outro' (1 Rs 8.60).
[...] Deus chama um povo para ser seu para a sua glória. Ouvir a esse chamado e aceitá-lo é a estrada para frente e para cima. Recusar esse chamado, por menor que se inicie a recusa, leva apenas ao declínio. E o fim não é bom. Oro para que seu fim seja bom e para que suas escolhas, mesmo hoje, caminhem nessa direção" (DEVER, Mark. A Mensagem do Antigo Testamento: Uma Exposição Teológica e Homilética. 1.ed. Rio de Janeiro: 2008, p.322).             

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
Subsídio Devocional
"Distúrbios psicossomáticos
A revista Isto É, em sua edição número 2004 [...] faz uma análise do poder das emoções e os males que as emoções negativas causam ao coração. Esta reportagem científica da Isto É, trata especialmente dos prejuízos do coração. Fala que o primeiro caminho a ser seguido para atingir o coração é através do sistema nervoso autônomo (SNA). Ele envia sinais elétricos, recebidos por fibras nervosas presentes no tecido cardíaco. Seu papel é acelerar ou diminuir o ritmo cardíaco. A outra via é química. Seu principal agente são os hormônios, como a adrenalina, por exemplo, secretados por algumas glândulas. Eles entram em ação após receber as ordens do hipotálamo, parte do sistema límbico, gerando sérios problemas ao coração.
Quando as pessoas têm raiva, irritação, ansiedade, tristeza e depressão acontece o seguinte: as glândulas adrenais, situadas acima dos rins, aumentam a produção de adrenalina e provoca:
- Diminuição do calibre dos vasos sanguíneos, elevando a pressão arterial. - Maior produção de fatores pró-coagulante, deixando o corpo mais vunerável à formação de coágulos que podem entupir as artérias.
- Desequilíbrio na atividade do endotélio, tecido que reveste as paredes dos vasos. Ele produz substâncias que ajudam na dilatação das artérias e outras envolvidas em processos inflamatórios. Como resultado, há maior estreitamento dos vasos e produção de compostos inflamatórios.
- Pelo sistema nervoso, são emitidos sinais que elevam a frequência cardíaca.
- Há prejuízo no sistema de defesa do corpo, ficando nosso corpo sujeito às várias doenças.
- A depressão, por exemplo, aumenta o batimento cardíaco e prejudica sua vulnerabilidade. Se não há variação, há sobrecarga do músculo cardíaco.
Tudo isso aumenta as chances de infarto em portadores de fatores de risco, como alto colesterol e hipertensão.
Enfim, as emoções prejudicam terrivelmente o coração, mas também prejudica o estômago, a pele, as vias respiratórias e todos os demais órgãos do corpo.
[...] A melhor prevenção de doenças é ter equilíbrio espiritual e emocional. É trabalhar com tranquilidade e paz. É vencer o ódio, o ressentimento, a preocupação e a ansiedade" (FERREIRA, Israel Alves. 1. ed. As emoções de um líder: Como administrar corretamente as suas emoções. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp. 117-18).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DEVER, Mark. A Mensagem do Antigo Testamento: Uma Exposição Teológica e Homilética. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
SEAMANDS, Stephen. Feridas que Curam: Levando Nossos Sofrimentos à Cruz. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.

SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão


Um homem de Deus em depressão

Após ter feito descer fogo do céu com sua oração e mostrado que Jeová é o Deus de Israel, Elias mata os profetas de Baal e é ameaçado por Jezabel. Essa ameaça, mais o cansaço dos últimos acontecimentos (Elias desafiou Acabe e os profetas de Baal, reconstruiu o altar do Senhor, ofereceu o holocausto, fez descer fogo do céu, viu Deus respondendo sua oração e matou os profetas de Baal), fizeram com que Elias adoecesse. Há psicólogos que diagnosticaram o caso de Elias como a síndrome do pânico, e não necessariamente como depressão, mas essa possível divergência de pensamento não retira do texto algumas realidades a seguir:

Elias era um homem de Deus. O fato de ter adoecido não retira de Elias a certeza de que ele era uma pessoa que estava com Deus. Não raro, há pessoas que imaginam estarem sós quando passam por momentos difíceis e de doenças. Nesses momentos, é preciso lembrar que nossa vida está nas mãos do Senhor, e que Ele sabe como cuidar de nós. Doenças e outros problemas não são o método de se medir se uma pessoa é ou não de Deus.
A fuga e o isolamento de Elias. A doença de Elias o fez fugir e se isolar de outras pessoas. Fugir dos problemas não faz com que eles sejam resolvidos e se isolar das pessoas não é a melhor forma de tratamento quando se passa por problemas. É certo que há situações em que precisamos passar um tempo a sós com Deus, mas elas não nos podem transformar em ermitões. O isolamento continuado nos faz fugir da realidade e de nossa vocação, e não ajuda a resolver os problemas que existem. Portanto, se passaremos algum tempo a sós, que seja acompanhado da presença de Deus, e por um período determinado, para que possamos ser novamente usados por Ele.
Elias sob os cuidados divinos. Ainda havia muita coisa para que Elias fizesse, mas o profeta precisava de socorro em seu isolamento e desânimo. O próprio Deus cuidou do profeta, enviando seu anjo, dando-lhe alimento, deixando-o descansar e falando com ele. Naquele momento, Deus não exigiu que Elias retornasse a Israel para terminar Sua obra, mas falou mansamente com seu servo e proporcionou a Elias um período de descanso. Observemos tal coisa: precisamos ter momentos de descanso, para que não nos sintamos sobrecarregados e desanimados. O descanso não representa uma fuga da obra de Deus, mas um momento de renovação para o nosso corpo e nossa mente, a fim de que tenhamos o equilíbrio necessário para a continuidade do ministério.
CPAD, nº 53, p.38.

EXERCÍCIOS
1. Segundo a lição, o que deve ser destacado sobre o lado humano de Elias?
R. Como homem, Elias possuía sentimentos, não somente se alegrava, mas também se entristecia.
2. Cite pelo menos duas causas da depressão de Elias.
R. Decepção e medo.
3. Além de "fuga" e "isolamento", quais foram as outras consequências da depressão de Elias?
R. Autopiedade e desejo de morrer.
4. De que forma o Senhor mostrou o seu cuidado para com o profeta Elias?
R. Provendo recursos materiais e espirituais.
5. Que forma de auxílio diferenciado o servo de Deus conta?
R. Ele não está sozinho neste mundo.

Disponibilizamos a todos, que, quiserem aprender a Palavra de Deus através das Lições Bíblicas Jovens e Adultos da CPAD. Da Escola Bíblica Dominical, faça bom uso da Palavra de Deus através das Lições. Mas por favor, não modifiquem o conteúdo das lições postadas neste blog, e, indiquem a fonte em nome de Jesus!

Agradecimento





FEED